Quadrilha que fez buracos em lojas para furtar eletrônicos é indiciada após causar prejuízo de R$ 350 mil em MT

Os furtos ocorridos entre os meses de setembro e outubro de 2018, eram realizados durante a madrugada, ocasião em que os criminosos faziam buracos nas paredes para entrar nos estabelecimentos.
Polícia Civil de Mato Grosso/Assessoria

Uma associação criminosa responsável por vários furtos em comércios de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, foi identificada em investigações da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos do município (Derf-VG).

O inquérito foi concluído na última sexta-feira (8) e divulgada na segunda-feira (11). A Polícia Civil identificou oito pessoas envolvidas nos crimes que resultaram no prejuízo de mais de R$ 350 mil somente em um dos estabelecimentos.

De acordo com a Derf-VG, o grupo possivelmente é responsável por furtos a outros estabelecimentos comerciais de Várzea Grande e Cuiabá e é investigado em outros procedimentos instaurados na Derf-VG.

Na conclusão do inquérito, todos os suspeitos foram indiciados pelos crimes de furto qualificado, associação criminosa e receptação.

Três deles tiveram mandados de prisão cumpridos na operação 'Maktub', deflagrada pela Def-VG no dia 27 de fevereiro. Entre os outros cinco indiciados, três estão com ordens de prisão preventiva decretadas pela Justiça com base nas investigações.

O trabalho investigativo que desarticulou a associação criminosa iniciou para apurar três ocorrências de furtos contra uma empresa, localizadas no Centro e no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande.

Os furtos ocorridos entre os meses de setembro e outubro de 2018, eram realizados durante a madrugada, ocasião em que os criminosos faziam buracos nas paredes para entrar nos estabelecimentos.

Nas ações criminosas, foram subtraídos vários aparelhos eletrônicos, entre eles, centenas de celulares, televisores e eletrodomésticos, avaliados em mais de R$ 350 mil.

A Justiça decretou 12 ordens judiciais. Foram apreendidos diversos aparelhos celulares, possivelmente produto dos roubos, que passarão por perícia.

12/03/2019 | G1 MT