Necropsia aponta indícios de crime na morte de esteticista de MT após cirurgia plástica, diz polícia

Delegada vai juntar o laudo a outros relatórios e prontuários de internação para apurar se houve crime. Daniele Ferreira Lira, de 33 anos, morreu no dia 13 de maio deste ano.
Arquivo pessoal

Após ter acesso ao laudo de necropsia de Edléia Daniele Ferreira Lira, de 33 anos, que morreu depois de fazer cirurgia plástica, a delegada Allana Cardoso, que acompanha o caso, disse, na terça-feira (12), que o inquérito vai considerar a possibilidade de conduta criminosa com dolo eventual por parte da equipe médica que atuou no procedimento.

De acordo com o diretor metropolitano do Instituto de Medicina Legal (IML), João Marcos Rondon, durante a lipoaspiração, sangue também é retirado do organismo junto com a gordura.

“Pode ser que, neste caso, tenha sido retirado mais gordura e, consequentemente mais sangue, do que seria necessário para o biotipo da paciente”, disse.

Sendo assim, a Polícia Civil vai anexar, além do laudo, os relatórios médicos e prontuários do período em que a paciente esteve internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para apurar se houve negligência e crime.

A morte

Daniele morreu no dia 13 de maio deste ano, após dois dias internada na UTI por complicações decorrentes de duas cirurgias plásticas, às quais foi submetida.

De acordo com a família, a cirurgia foi feita no Hospital Militar de Cuiabá, porém o procedimento cirúrgico foi realizado por um médico da São Paulo.

Segundo a amiga Laíza Cardoso, Daniele, por meio de amgios, teria tomado conhecimento de uma página no Facebook, denominada “Plástica para Todos”, que oferecia as cirurgias a preços mais baixos.

A amiga disse ainda, que Daniele passou por cirurgias de lipoescultura e mamoplastia, no dia 11 de maio, pelo custo de R$ 6 mil.

Laíza contou que depois dos procedimentos, quando já estava no quarto e consciente, Daniele começou a reclamar de dores e formigamentos nas pernas, ficou sonolenta e teve parada cardíaca.

A paciente foi reanimada e transferida para a UTI de outro hospital, onde ficou internada por dois dias, e morreu.

13/06/2018 | G1 MT